Aspectos dos Cosméticos Naturais

Muito se fala na sobre os cosméticos naturais e a onda verde, o problema desta divulgação é a escassez de informações a respeito. Uma das m ais comuns frases que dizem é : “ esse naturais não são químicos”; Essa afirmação é um grande erro, pois em primeiro lugar não existe nada sem composição química, nos mesmos somos uma laboratório químico ambulante. O correto mesmo de se expressar quando se refere ao princípio ativo responsável pela atividade desejada é sintético ou natural, mas não isento de química. A formula base, ou seja o que vai defini-lo como um creme ou loção, gel, pomada.

Essa formulação é inócua e tende a não reagir de forma negativa com o corpo ou com o princípio ativo. Outra questão é esta relacionada as reações de hipersensibilidades ou alergias. As fórmulas bases tendem a serem inócuas, por isso geralmente não devem atuar como agentes alergênicos , embora não seja 100% nula a probabilidade. O que reage com o corpo normalmente são os princípios ativos que são as substâncias naturais ou sintéticas. Muitos dos ativos sintéticos são sintetizados a partir de fórmulas pré existentes naturais sejam animais, vegetais ou minerais. A comparação dentre os cosméticos sintéticos e naturais sempre esta em pauta.

Existem muitos estudos que focam as atividades cosmocêuticas dos ativos de origem natural e outros que focam as atividades sintéticas. Sempre há prós e contras. Normalmente os produtos sintéticos que predominam em nossas industrias tendem a ser mais agressivos. Não somente voltando para a cosmética, mas principalmente para a alimentar. A eficácia em termos de testes científicos geralmente é satisfatória. Por exemplo a andiroba como repelente de insetos, calêndula, camomila como cicatrizante, e emoliente, a babosa como pós sol e em queimatura, castanha da india e centella asiática atuando na circulação, aveia e girassol em peles ressecadas e assim por diante. Outra questão que sempre leio ou escuto algumas bobagens é sobre a porcentagem de ativos nos cosméticos.

Deve-se saber em primeiro lugar que há cosméticos que atuam na parte de higiene e prevenção, para fins estéticos e como medicamentos ou coadjuvantes terapêuticas. Os cosméticos que consumimos cotidianamente é destinado para higiene e prevenção e para fins estéticos, portanto em sua formulação as doses devem ser seguras e pequenas. Isso porque o uso é continuo por um longo tempo e sem nenhuma “posologia”. Esses cosméticos devem ter média de 1 a 5 % no máximo de ativos sejam eles em formas de óleo essencial, tintura etc. Podendo também ter mais de um componente ativo. Já os cosméticos destinados a propósitos medicamentosos, possuem concentrações maiores em média de 10% nas formulações. Isso porque estaremos combatendo algum acometimento que não deve progredir e seu uso é restrito e por um curto período de tempo além do foco ser a atividade farmacológica. Cosméticos medicamentosos são manipulados por farmácias magistrais e devem ser prescritos por profissionais capacitados. (médicos, esteticistas, farmacêuticos, nutricionistas etc) .

Outros cosméticos são usados por profissionais para auxilio terapêutico. Como exemplo massoterapeutas.

Artigos Relacionados